Ir para conteúdo

INTRODUÇÃO


A cibersegurança e a sociedade voltam a encontrar-se neste Relatório Cibersegurança em Portugal - Sociedade 2020. O texto deste ano procura avaliar a evolução de grande parte dos indicadores já apresentados no ano anterior, agora com incidência em 2019, mas também acrescentar indicadores entretanto surgidos ou atualizados, que complementam uma informação que se quer panorâmica sobre a cibersegurança em Portugal no âmbito em apreço.

Tal como o documento de 2019, o de 2020 divide-se em três temas centrais: as atitudes; os comportamentos; e a educação e sensibilização. Fruto do lançamento dos resultados de três inquéritos importantes (um do Eurostat, sobre as Empresas, e dois da Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência

- DGEEC, sobre a Administração Pública Central e Regional e sobre as Câmaras Municipais), optou-se por distinguir entre comportamentos individuais e organizacionais, facto que proporciona um aumento da componente relativa ao contexto profissional neste Relatório.

Com este trabalho pretende-se não só analisar dados que careciam de um olhar mais profundo sobre a realidade portuguesa, como desenvolver uma compreensão abrangente e sintética sobre a vertente social da cibersegurança no país. Além das fontes mencionadas, o Eurobarómetro continua a ser uma referência muito importante neste documento. Todavia, muita da informação que diz respeito à educação e sensibilização é recolhida diretamente pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS). O equilíbrio entre as atitudes e os comportamentos, os níveis de cuidado em ciber-higiene, a comparação com a UE ou os esforços realizados para a educação e sensibilização são os aspetos mais relevados neste texto. O fator humano, como elemento transversal à cibersegurança, é especialmente convocado neste estudo.

O documento deste ano introduz uma análise global dos indicadores que pretende fornecer uma camada de interpretação acrescida. Considerando os dados e a experiência do CNCS, o texto procura oferecer uma base de informação para as decisões estratégicas quanto à educação e sensibilização dos indivíduos. Em termos de estrutura, o documento aplica um formato que privilegia a identificação do indicador, seguido de uma tabela com os números detalhados, um ou mais gráficos e um destaque com aspetos sublinhados. A terminar cada um dos três capítulos principais faz-se uma síntese. No final do documento, é possível consultar a Nota Metodológica com uma descrição das metodologias utilizadas pelas diversas fontes e pelo CNCS. Antes de se iniciar o capítulo sobre Atitudes, apresentam-se os Termos, Siglas e Abreviaturas, bem como a referida Análise Global.

Seguinte
Última atualização em 01-04-2021