Ir para conteúdo

ATITUDES

As atitudes são fundamentais para compreender as predisposições das pessoas para adotarem os comportamentos mais seguros. Dado o seu caráter psicossocial, neste capítulo, recolhem-se indicadores sobre os indivíduos e não sobre as organizações, embora as atitudes dos indivíduos ajudem a moldar o comportamento organizacional. A fonte utilizada é o Eurobarómetro Especial 499 Europeans%9 attitudes towards, publicado em 2020, com dados referentes a 2019. Recorre-se também a todos os Eurobarómetros anteriores com a mesma temática. As atitudes analisadas dizem respeito às preocupações com a cibersegurança, ao nível de informação que se perceciona possuir, ao conhecimento sobre outras vítimas de cibercrime ou à predisposição para reagir a ciberameaças.

Que preocupações têm os indivíduos, em Portugal, se alguma, em relação ao uso da Internet para atividades como o banco online ou a compra de bens e serviços online? (Múltiplas respostas possíveis) Utilizadores de Internet. (%)
  PT
2019
UE
(tendência 2018-2019)
Tendência PT
(2018-2019)
Tendência PT
(2017-2018)
Tendência PT
(2014-2017)
Tendência PT
(2013-2014)
A segurança dos pagamentos online 32 41 (-2) -6 -9 +11 +1
O uso indevido dos dados pessoais 54 46(+3) +5 -2 +21 +1
Não poder inspecionar os bens ou pedir conselho a uma pessoa real 14 22 (-2) -1 -13* -18 -3
Tem medo de não receber os produtos ou serviços comprados online 20 22 (-1 -15 = +18 +3
Outra 6 10 (+5) +4 ** ** +1
Nenhuma preocupação 21 15 (-4 ) +1 ** ** +5
Não sabe 5 6 (+4) +3 ** ** +1
Tabela 1 | Eurobarómetro 499, 480, 464a, 423 e 404

*A formulação da pergunta alterou ligeiramente de 2017 para 2018, por isso esta diferença é relativa.
**Dados indisponíveis.


Aspetos sociodemográficos relevantes em Portugal, 2019(2)
Sexo 80% dos homens portugueses têm pelo menos uma preocupação, enquanto nas mulheres este valor é de 67%.
Idade Os indivíduos com idades compreendidas entre os 25 e os 39 anos manifestam ter mais preocupações do que os indivíduos das restantes faixas etárias, com 78% a revelarem ter pelo menos uma preocupação.
Educação Os indivíduos que terminaram os estudos com mais de 20 anos e aqueles que ainda estudam são os que apresentam percentagens maiores quanto a ter pelo menos uma preocupação, com 86% e 78%, respetivamente.
UE Diferentemente de Portugal, na média da UE, a percentagem de mulheres com pelo menos uma preocupação é ligeiramente superior à dos homens, com 82% e 77%, respetivamente. As faixas etárias e os diferentes níveis de educação também são mais homogéneos entre si.
Eurobarómetro 499

2Nos Eurobarómetros, os grupos etários correspondem aos seguintes intervalos: 15-24 anos; 25-39 anos; 40-54 anos; +55 anos. Os grupos educacionais, aos seguintes tipos: estudaram até aos 15 anos; até aos 16-19 anos; até depois dos 20 anos; ainda estudam. Quando se refere %CTodos os indivíduos%D entende-se todas as faixas etárias, quer usem quer não usem a Internet.

Que preocupações têm os indivíduos, em Portugal, se alguma, em relação ao uso da Internet para atividades como o banco online ou a compra de bens e serviços online?(Múltiplas respostas possíveis) 2013-2019. Utilizadores de Internet. (%)

Figura 1
1612526219.jpg
Figura 1 | Eurobarómetro 499, 480, 464a, 423 e 404


Que preocupações têm os indivíduos, em Portugal, se alguma, em relação ao uso da Internet para atividades como o banco online ou a compra de bens e serviços online?(Múltiplas respostas possíveis) Comparação com UE. Utilizadores de Internet. (%)

Figura 2
1612537503.jpg
Figura 2 | Eurobarómetro 499


Que preocupações têm os europeus, se alguma, em relação ao uso da Internet para atividades como o banco online ou a compra de bens e serviços online? (Múltiplas respostas possíveis) 2018-2019. Utilizadores de Internet. (%)

Figura 3
1612537663.jpg
Figura 3 | Eurobarómetro 499 e 480


DESTAQUES

Em relação ao uso da Internet para atividades como o banco online ou a compra de bens e serviços online, de entre as preocupações apresentadas, para os indivíduos, em Portugal, o uso indevido dos dados pessoais (54%) é a maior delas, mais do que a média da UE (46%) - o valor em Portugal aumentou 5 pp em relação ao ano anterior;

Não obstante, a média da UE é superior aos valores regista-dos em Portugal quanto às outras preocupações, sendo que 74% dos respondentes têm alguma preocupação, enquanto a média da UE é de 79% (subtraídos os que revelam “nenhuma preocupação” ou “não sabem”);

A discrepância mais acentuada entre 2018 e 2019 é a que diz respeito à diminuição em 15 pp dos que têm medo de não receber produtos ou serviços comprados online;

Em Portugal, existem mais variações sociodemográficas do que na média da UE, com destaque, quanto a um maior número de preocupações, para os homens, a faixa etária entre os 25 e os 39 anos e os indivíduos com mais estudos.


Quão bem informados se sentem os indivíduos, em Portugal, quanto ao risco de cibercrime? Todos os indivíduos. (%)
  PT
2019
UE
(tendência 2018-2019)
Tendência PT
(2018-2019)
Tendência PT
(2017-2018)
Tendência PT
(2014-2017)
Tendência PT
(2013-2014)
Muito bem informado 2 11(+ 1) -1 -3 +1 +1
Razoavelmente bem informado 39 41(=) -4 +1 +3 +12
Não muito bem informado 34 30(+2) +4 +1 +6 -10
Nada informado 23 17(-1) +1 = -10 -3
Não sei 2 1(-2) = +1 = =
Tabela 2 | Eurobarómetro 499, 480, 464a, 423 e 404


Aspetos sociodemográficos relevantes em Portugal, 2019(2)
Sexo Os homens sentem-se mais bem informados do que as mulheres. Por exemplo, 47% sentem-se razoavelmente bem informados, enquanto apenas 33% das mulheres se sentem desse modo.
Idade Os indivíduos com mais de 55 anos sentem-se menos informados do que os indivíduos das restantes faixas etárias. Por exemplo, 51% destes indivíduos sentem-se nada informados, mais do que qualquer das restantes faixas etárias.
Educação Os indivíduos que estudaram no máximo até aos 15 anos de idade sentem-se pior informados do que os restantes. Por exemplo, 50% destes indivíduos sentem-se nada informados, mais do que qualquer dos outros grupos, que estudaram mais anos ou ainda estudam.
UE Tendências alinhadas com a média da UE.
Eurobarómetro 499

Quão bem informados se sentem os indivíduos, em Portugal, quanto ao risco de cibercrime?
2013-2019. Todos os indivíduos. (%)


Figura 4
1612541104.jpg
Figura 4 | Eurobarómetro 499, 480, 464a, 423 e 404


Quão bem informados se sentem os indivíduos, em Portugal, quanto ao risco de cibercrime?
Comparação com a UE. Todos os indivíduos. (%)


Figura 5
1612541213.jpg
Figura 5 | Eurobarómetro 499


Quão bem informados se sentem os europeus quanto ao risco de cibercrime? 2018-2019.
Todos os indivíduos. (%)


Figura 6
1612541318.jpg
Figura 6 | Eurobarómetro 499 e 480


DESTAQUES

Entre 2018 e 2019, há um decréscimo na percentagem de indivíduos, em Portugal, que se sentem muito bem informados (2%, isto é, menos 1 pp) ou razoavelmente bem informados (39%, ou seja, menos 4 pp);

39% dos indivíduos, em Portugal, sentem-se razoavelmente bem informados, 34% não muito bem informados e 23% nada informados;

A média da UE é superior no que diz respeito a estar bem informado, particularmente entre os que se consideram muito bem informados: 11% na UE e 2% em Portugal;

O perfil do indivíduo que se sente bem informado em Portugal tende a corresponder a um homem, jovem e com mais estudos.


Em que medida os indivíduos, em Portugal, concordam com cada uma das seguintes afirmações? Concordam. Todos os indivíduos. (%)
  PT
2019
UE
(tendência 2018-2019)
Tendência PT
(2018-2019)
Tendência PT*
(2014-2017)
Tendência PT*
(2013-2014)
É capaz de se proteger o suficiente contra o cibercrime 73 78(-1) = +3 +2
Está preocupado de que a sua informação pessoal nãoseja mantida segura pelas autoridades públicas 66 76(-3) = +1 +12**
Está preocupado de que a sua informação pessoal nãoseja mantida segura pelos websites 66 68(=) +2 +2 +9
Acredita que o risco de ser vítima de cibercrimeestá a aumentar 64 61(-1) +2 +3 +10
Evita revelar informação pessoal online 45 52(-9) -8 -8 ***
Tabela 3 | Eurobarómetro 499, 480, 464a, 423 e 404

*Só a partir do inquérito referente a 2018 é que as perguntas começaram a ser realizadas a todos os inquiridos e não apenas aos utilizadores de Internet. Optou-se por fazer comparações diretas apenas entre os inquéritos com bases iguais, daí compararem-se os dados entre 2013e 2017 e entre 2018 e 2019 separadamente.
**No inquérito de 2013 esta pergunta refere-se ao último ano.
***Pergunta não realizada no inquérito de 2013.


Aspetos sociodemográficos relevantes em Portugal, 2019
Sexo Sem diferenças relevantes entre sexos.
Idade Os indivíduos com mais de 55 anos de idade tendem a concordar menos com as afirmações apresentadas. Por exemplo, apenas 25% destes indivíduos concordam que conseguem proteger-se o suficiente contra o cibercrime, abaixo dos restantes grupos etários.
Educação Os indivíduos que estudaram no máximo até aos 15 anos de idade tendem a concordar menos com as afirmações apresentadas. Por exemplo, apenas 22% destes indivíduos concordam que conseguem proteger-se o suficiente contra o cibercrime, abaixo dos restantes grupos educacionais.
UE Tendências alinhadas com a média da UE.
Eurobarómetro 499

Em que medida os indivíduos, em Portugal, concordam com cada uma das seguintes afirmações?Concordam. 2018-2019. Todos os indivíduos. (%)

Figura 7
1612544253.jpg
Figura 7 | Eurobarómetro 499 e 480


Em que medida os indivíduos, em Portugal, concordam com cada uma das seguintes afirmações?Concordam. Comparação com UE. Todos os indivíduos. (%)

Figura 8
1612544349.jpg
Figura 8 | Eurobarómetro 499


Em que medida os europeus concordam com cada uma das seguintes afirmações? Concordam.2018-2019. Todos os indivíduos. (%)

Figura 9
1612544429.jpg
Figura 9 | Eurobarómetro 499 e 480


DESTAQUES

73% dos indivíduos, em Portugal, afirmam evitar revelar informação pessoal online, a afirmação com a qual mais concordaram, em alinhamento com o ano anterior;

A maior discrepância de valores em relação à média da UE diz respeito aos que acreditam que o risco de ser vítima de cibercrime está a aumentar: em Portugal, 66% dos inquiridos concordam com esta afirmação; na UE, o valor atinge os 76%;

Quer em Portugal, quer na média da UE, há um decréscimo assinalável, em relação ao ano anterior, entre os que afirmam ser capazes de se proteger o suficiente contra o cibercrime &ndash menos 8 pp em Portugal (45%) e menos 9 pp na média da UE (52%);

Os indivíduos, em Portugal, com mais de 55 anos e os que estudaram no máximo até aos 15 anos de idade tendem a concordar menos com as afirmações apresentadas.


Os cibercrimes incluem muitos tipos de atividade criminal. Quão preocupados estão os indivíduos, em Portugal, pessoalmente, acerca de experienciar ou ser vítima das seguintes situações? Preocupados. Utilizadores de internet. (%)
  PT
2019
UE
(tendência 2018-2019)
Tendência PT
(2018-2019)
Tendência PT
(2017-2017)
Tendência PT
(2014*-2017)
Tendência PT
(2013-2014)
A infeção de dispositivos com software malicioso (vírus, etc.) 76 66(-5) +1 +4 -1 **
Roubo de identidade (alguém roubar os dados pessoais e fazer-se passar por si) 77 66(-4) +9 -1 -5 +15
Fraude em cartão bancário ou em banco online 74 67(-3) +10 +2 = +20
Acidentalmente, encontrar materialcom abuso sexual infantil online 65
***
53(-14) +4 = -6 +20
Hacking a redes sociais online ou conta de email 73 61(-6) +6 +1 -6 +19
Material online que promove ódioracial ou extremismo religioso 59 53(-12) +1 +3 -4 +12
Ciberataques que impedem o seu acesso a serviços online, como banca ou serviços públicos 60 57(-4) = +5 -1 +9
Exigência de um pagamento em trocada recuperação do controlo sobre o seu dispositivo 65 55(-5) +5 +2 -1 **
Emails fraudulentos ou telefonemas a pedir os seus dados pessoais 65 59(-1) +2 +3 -6 +13
Fraude online em que os bens adquiridos não são entregues, são contrafeitos ou não são como publicitados 67 54(-4) +6 +2 -3 +16
Tabela 4 | Eurobarómetro 499, 480, 464a, 423 e 404

*O fraseado de algumas perguntas está ligeiramente diferente no inquérito de 2014.
**Pergunta não realizada em 2013.
***Pergunta ligeiramente alterada em 2019 em relação ao ano anterior.


Aspetos sociodemográficos relevantes em Portugal, 2019
Sexo As mulheres apresentam em todos os casos percentagens ligeiramente superiores aos homens no que diz respeito às preocupações em causa. Por exemplo, 67% das mulheres e 63% dos homens estão preocupados com emails fraudulentos ou telefonemas a pedir os dados pessoais.
Idade Verifica-se uma tendência para que os indivíduos com mais de 55 anos de idade manifestem menos preocupações do que os restantes. Por exemplo, 50% destes indivíduos mostram-se preocupados com a possibilidade de ocorrerem ciberataques que impeçam o seu acesso a serviços online, como banca ou serviços públicos, abaixo dos restantes grupos etários.
Educação Os indivíduos que estudaram no máximo até aos 15 anos de idade tendem a manifestar menos preocupações. Por exemplo, 47% destes indivíduos mostram-se preocupados com a possibilidade de ocorrerem ciberataques que impeçam o seu acesso a serviços online, como banca ou serviços públicos, abaixo dos restantes grupos etários.
UE Os indivíduos com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos tendem a ter menos preocupações na média da UE do que em Portugal. Por exemplo, apenas 51% na média da UE estão preocupados com emails fraudulentos ou telefonemas a pedir os seus dados pessoais, enquanto em Portugal esse valor atinge os 72% nesta faixa etária. No que diz respeito à educação, na média da UE, não se observa a mesma discrepância entre grupos que se verifica em Portugal, a qual mostra menor preocupação por parte dos indivíduos que estudaram até aos 15 anos de idade. Por exemplo, entre estes, 61%, na média da UE, estão preocupados com emails fraudulentos ou telefonemas a pedir os dados pessoais, o valor mais elevado, enquanto em Portugal esse valor atinge apenas os 55% e é o mais baixo comparando com os restantes grupos.
Eurobarómetro 499

Os cibercrimes incluem muitos tipos de atividade criminal. Quão preocupados estão os indivíduos,em Portugal, pessoalmente, acerca de experienciar ou ser vítima das seguintes situações? Preocupados. 2013-2019. Utilizadores de Internet. (%)

Figura 10
1612552130.jpg
Figura 10 | Eurobarómetro 499, 480, 464a, 423 e 404


Os cibercrimes incluem muitos tipos de atividade criminal. Quão preocupados estão os indivíduos, em Portugal, pessoalmente, acerca de experienciar ou ser vítima das seguintes situações? Preocupados. Comparação com UE. Utilizadores de Internet. (%)

Figura 11
1612552290.jpg
Figura 11 | Eurobarómetro 499


Os cibercrimes incluem muitos tipos de atividade criminal. Quão preocupados estão os europeus, pessoalmente, acerca de experienciar ou ser vítima das seguintes situações? Preocupados. 2018-2019. Utilizadores de Internet. (%)

Figura 12
1612552385.jpg
Figura 12 | Eurobarómetro 499 e 480


DESTAQUES

As preocupações dos indivíduos, em Portugal, aumentaram em quase todas as situações em causa, em contraciclo com a tendência de diminuição verificada na média da UE. Por exemplo, a preocupação com a fraude em cartão bancário ou em banco online aumentou 10 pp, para 74%, enquanto a média da UE desceu 3 pp, para 67%. A preocupação com o roubo de identidade, em Portugal, também aumentou significativamente, em 9 pp, para 77%, enquanto a média da UE diminuiu 4 pp, para 66%;

Esta tendência resulta em níveis de preocupação mais altos em Portugal do que a média da UE em relação a todas as situações apresentadas;

Em Portugal, as mulheres tendem a manifestar um pouco menos de preocupação do que os homens, bem como, de forma mais acentuada, os indivíduos com mais de 55 anos e aqueles que estudaram não mais do que até aos 15 anos de idade.


Nos últimos três anos, algum familiar, amigo ou conhecido dos indivíduos, em Portugal, experienciou ou foi vítima de alguma destas situações? (Múltiplas respostas possíveis) Utilizadores de Internet. (%)*
  PT
2019
UE
(tendência 2018-2019)
Tendência PT
(2018-2019)
Descobrir software malicioso (vírus, etc.) no seu dispositivo 6 24(-2) -6
Roubo de identidade (alguém roubar os seus dados pessoais e fazer-se passar por si) 4 7(=) +1
Ser vítima de fraude em cartão bancário ou em banco online 2 11(=) -1
Acidentalmente, encontrar pornografia infantil online 1 3(-1 ) -2
Ocorrer hacking das suas redes sociais online ou conta de email 4 14(=) +1
Acidentalmente encontrar material online que promove ódio racial ou extremismo religioso 1 7(-2) -1
Ciberataques que impedem o seu acesso a serviços online, como banca ou serviços públicos 3 5(-3) =
Pedirem um pagamento em troca da recuperação do controlo sobre o seu dispositivo 2 6(=) +1
Receber emails fraudulentos ou telefonemas a pedir os seus dados pessoais (incluindo acesso ao computador, login, informação de pagamentos ou bancária) 3 28(+ 2) =
Fraude online em que os bens adquiridos não são entregues,são contrafeitos ou não são como publicitados 4 15(=) -3
Outro cibercrime ou qualquer outro comportamento online ilegal (ciberataque, assédio ou bullying) [espontâneo] 4 4 (=) +3
Não, nada [espontâneo] 50 33(-4) -5
Não sabe 34 21(+12) +14
Tabela 5 | Eurobarómetro 499 e 480

*Esta pergunta é realizada pela primeira vez em 2018. Os dados apresentados no Eurobarómetro Especial 499 referem-se a todos os indivíduos. Contudo, em 2018, o Eurobarómetro Especial 480 refere-se somente a indivíduos utilizadores da Internet. Para efeitos de comparação, o Eurobarómetro Especial 499 apresenta também os dados referentes aos utilizadores de Internet. Optou-se por, neste ano,utilizar os dados comparáveis, isto é, apenas os referentes aos utilizadores de Internet.


Aspetos sociodemográficos relevantes em Portugal, 2019
Sexo Os homens tendem a afirmar mais do que as mulheres que conhecem alguém que tenha experienciado ou sido vítima de uma das situações descritas: 20% dos homens e 13% das mulheres.
Idade Os indivíduos com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos tendem a afirmar mais que conhecem alguém que tenha experienciado ou sido vítima de uma das situações descritas, com 30%, enquanto as restantes faixas etárias apresentam números mais baixos. Por exemplo, apenas 13% das pessoas com mais de 55 anos responderam de forma afirmativa a esta questão.
Educação Os indivíduos que ainda estão a estudar tendem a afirmar mais que conhecem alguém que tenha experienciado ou sido vítima de uma das situações descritas, com 27%. Por exemplo, entre as pessoas que estudaram no máximo até aos 15 anos de idade, apenas 6% responderam afirmativamente a esta questão.
UE A média da UE coloca os homens e as mulheres com os mesmos valores quanto à questão apresentada, com 45% cada a identificarem pelo menos uma situação. Nos restantes itens verifica-se um alinhamento entre os valores de Portugal e a média da UE.
Eurobarómetro 499

Nos últimos três anos, algum familiar, amigo ou conhecido dos indivíduos, em Portugal, experienciou ou foi vítima de alguma destas situações? (Múltiplas respostas possíveis) 2018-2019. Utilizadores de Internet. (%)

Figura 13
1612715218.jpg
Figura 13 | Eurobarómetro 499 e 480


Nos últimos três anos, algum familiar, amigo ou conhecido dos indivíduos, em Portugal, experienciou ou foi vítima de alguma destas situações? (Múltiplas respostas possíveis)Comparação com UE. Utilizadores de Internet. (%)

Figura 14
1612715321.jpg
Figura 14 | Eurobarómetro 499


Nos últimos três anos, algum familiar, amigo ou conhecido dos europeus experienciou ou foi vítima de alguma destas situações? (Múltiplas respostas possíveis) 2018-2019. Utilizadores de Internet. (%)

Figura 15
1612715407.jpg
Figura 15 | Eurobarómetro 499 e 480


DESTAQUES

Os indivíduos, em Portugal, em relação aos últimos três anos, afirmam menos do que a média da UE conhecer algum familiar, amigo ou conhecido que tenha experienciado ou sido vítima de alguma das situações descritas: 50% não conhecem e 34% não sabem (o que equivale a 16% a afirmarem que conhecem, menos 9 pp do que no ano anterior), enquanto a média da UE indica 33% que não conhecem e 21% que não sabem (isto é, 46% a afirmarem que conhecem);

A situação em relação à qual os indivíduos, em Portugal, mais afirmaram conhecer alguém que foi vítima ocorre no que respeita a descobrir software malicioso no seu dispositivo (6%). Contudo, a média da UE referente a esta situação é de 24%. A maior discrepância em relação à média da UE verifica-se no que diz respeito a conhecer alguém que tenha recebido emails fraudulentos ou telefonemas a pedir os dados pessoais, que apresenta 3% em Portugal e 28% na média da UE;

O perfil do indivíduo que mais conhece alguém que tenha sido vítima de uma das situações descritas, em Portugal, tende a ser homem, com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos e ainda estudante.


Consciência dos indivíduos, em Portugal, em relação à existência de um website ou de uma morada de email através dos quais se possa reportar um cibercrime ou qualquer outro comportamento ilegal online (ex.: ciberataques, assédio online ou bullying).(Múltiplas respostas possíveis) Todos os utilizadores. (%)*
  PT
2019
UE
2019
Sim, um website 11 12
Sim, um email 3 5
Sim, um formulário online 3 4
Sim, um número de contacto 4 6
Sim, outra forma de reportar um cibercrime ou qualquer outro comportamento ilegal online 4 4
Não, não tenho consciência da sua existência 80 77
Não sei 2 1
Total de "Tenho consciência da sua existência" 18 22
Tabela 6 | Eurobarómetro 499

*O tipo de resposta possível alterou em relação ao Eurobarómetro 480.
Por isso, não se efetua uma comparação com o ano anterior.


Aspetos sociodemográficos relevantes em Portugal, 2019
Sexo Os homens assumem ligeiramente mais, com 19%, do que as mulheres, com 17%, terem consciência de algum destes meios de reporte de cibercrimes ou de qualquer outro comportamento ilegal online.
Idade Apenas 5% dos indivíduos com mais de 55 anos de idade referem ter consciência de algum destes meios, enquanto, por exemplo, entre os que têm idades entre os 25 e os 39 anos, o valor atinge os 33%.
Educação Os indivíduos que estudaram no máximo até aos 15 anos de idade tendem a conhecer menos qualquer destes meios do que os outros. Por exemplo, apenas 6% afirmaram conhecer algum destes meios, enquanto, entre as pessoas que estudaram até depois dos 20 anos de idade, o valor é de 42%.
UE Tendências genericamente alinhadas com a média da UE.
Eurobarómetro 499

Consciência dos indivíduos, em Portugal, em relação à existência de um website ou de uma morada de email através dos quais se possa reportar um cibercrime ou qualquer outro comportamento ilegal online. (Múltiplas respostas possíveis) 2019. Todos os utilizadores. (%)

Figura 16
1612716469.jpg
Figura 16 | Eurobarómetro 499


DESTAQUES

Baixa percentagem de indivíduos (18%), em Portugal, que conhecem qualquer um dos meios referidos, através dos quais se possa reportar um cibercrime ou qualquer outro comportamento ilegal online. A média da UE a este respeito também é baixa, mas menos (22%);

O meio mais conhecido para o efeito, entre os indivíduos em Portugal e na média da UE, é o website &ndash 11% e 12%, respetivamente.


Independentemente de terem sido ou não vítimas de um cibercrime, o que fariam os indivíduos, em Portugal, se experienciassem ou fossem vítimas das seguintes situações?(Múltiplas respostas possíveis) Pelo menos uma ação e a mais frequente.Todos os utilizadores. (%)*
  PT
2019
Ação +
frequente
PT/UE 2019
UE
(tendência 2018-2019)
Tendência PT
(2018-2019)
Descobrir software malicioso (vírus, etc.) no seu dispositivo 71 Cont. polícia
40/23
70(+ 2) -1
Roubo de identidade (alguém roubar os seus dados pessoais e fazer-se passar por si) 79 Cont. polícia
66/72
86 (-1) -3
Ser vítima de fraude em cartão bancário ou em banco online 78 Cont. polícia
69/67
86(-2) -4
Acidentalmente, encontrar pornografia infantil online 77 Cont. polícia
56/66
82(+1) +4
Ocorrer hacking das suas redes sociais online ou conta de email 73 Cont. polícia
42/36
78(+1) +2
Acidentalmente encontrar material online que promove ódio racial ou extremismo religioso 72 Cont. polícia
49/53
74(+4) +13
Ciberataques que impedem o seu acesso a serviços online, como banca ou serviços públicos 73 Cont. polícia
46/40
79(+3) +10
Pedirem um pagamento em troca da recuperação do controlo sobre o seu dispositivo 76 Cont. polícia
61/60
80(+1) -1
Receber emails fraudulentos ou telefonemas a pedir os seus dados pessoais (incluindo acesso ao computador, login, informação de pagamentos ou bancária) 72 Cont. polícia
46/38
67(+3) +16
Fraude online em que os bens adquiridos não são entregues, são contrafeitos ou não são como publicitados 75 Cont. polícia
48/43
84(+2) -2
Tabela 7 | Eurobarómetro 499 e 480

*Apenas se comparam os anos de 2018 e 2019 porque nos inquéritos anteriores somente se apresentam dados respeitantes a utilizadores de Internet, além de ter ocorrido uma alteração na formulação da pergunta que se considera relevante.


Situação com mais reação por cada resposta possível
  Situação com mais reação
PT 2019
Valores
PT 2019
Situação com mais reação
UE 2019
Valores
UE 2019
Nada Descobrir software malicioso... e emails fraudulentos... 10 Receber emails fraudulentos... 24
Contactava a polícia Ser vítima de fraude em cartão bancário... 69 Roubo de identidade... 72
Contactava o website/vendedor Fraude online em que os bens adquiridos... 33 Fraude online em que os bens adquiridos... 34
Contactava o prestador do serviço de internet Descobrir software malicioso...e hacking das redes sociais... 13 Descobrir software malicioso... 18
Contactava uma organização de proteção do consumidor Fraude online em que os bens adquiridos... 10 Fraude online em que os bens adquiridos...e receber emails fraudulentos... 11
Reportava a situação através de um website ou email oficial (outro que não o da polícia) Receber emails fraudulentos... 5 Ciberataques que impedem o seu acesso a serviços online...e receber emails fraudulentos... 6
Outro [espontânea] Descobrir software malicioso... 15 Descobrir software malicioso... 13
Não sei Descobrir software malicioso...e material online que promove ódio 19 Descobrir software malicioso... 11
Tabela 8 | Eurobarómetro 499 e 480


Aspetos sociodemográficos relevantes em Portugal, 2019
Sexo Os homens tendem a pretender agir mais do que as mulheres em qualquer das situações descritas. Por exemplo, 78% dos homens afirmam que agiriam de algum modo contra a fraude online em que os bens adquiridos não são entregues, são contrafeitos ou não se apresentam como foram publicitados, enquanto apenas 71% das mulheres afirmam o mesmo.
Idade Os indivíduos com mais do que 55 anos de idade tendem a afirmar menos do que os das restantes faixas etárias que agiriam em qualquer uma das situações. Por exemplo, 56% das pessoas com mais de 55 anos afirmam que agiriam de algum modo quanto a, acidentalmente, encontrar pornografia infantil online, enquanto entre as pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos o valor atinge os 94%.
Educação Os indivíduos com mais estudos ou que ainda estudam tendem a pretender agir mais em qualquer das situações. Por exemplo, 53% das pessoas que estudaram até aos 15 anos de idade no máximo afirmam que agiriam no caso de hacking das suas redes sociais online ou conta de email, enquanto 87% das pessoas que estudaram até depois dos 20 anos de idade o afirmam também.
UE Tendências semelhantes, embora na média da UE se verifique, em geral, menor contraste entre grupos do que em Portugal.
Eurobarómetro 499

Independentemente de terem sido ou não vítimas de um cibercrime, o que fariam os indivíduos,em Portugal, se experienciassem ou fossem vítimas das seguintes situações?(Múltiplas respostas possíveis) Pelo menos uma ação. 2018-2019. Todos os utilizadores. (%)

Figura 17
1612719024.jpg
Figura 17 | Eurobarómetro 499 e 480


Independentemente de terem sido ou não vítimas de um cibercrime, o que fariam os indivíduos,em Portugal, se experienciassem ou fossem vítimas das seguintes situações?(Múltiplas respostas possíveis) Pelo menos uma ação. Comparação com UE. Todos os utilizadores. (%)

Figura 18
1612719122.jpg
Figura 18 | Eurobarómetro 499


Independentemente de terem sido ou não vítimas de um cibercrime, o que fariam os europeus se experienciassem ou fossem vítimas das seguintes situações? (Múltiplas respostas possíveis). Pelo menos uma ação. 2018 2019. Todos os utilizadores. (%)

Figura 19
1612719217.jpg
Figura 19 | Eurobarómetro 499 e 480


DESTAQUES

O roubo de identidade é o tipo de situação em relação à qual os indivíduos, em Portugal, mais afirmam que reagiriam de alguma forma caso fossem vítimas, com 79%;

A ação que os indivíduos, em Portugal, mais afirmam que realizariam caso lhes acontecesse alguma das situações apresentadas seria contactar a polícia, tratando-se da resposta mais frequente em relação a todas as situações. O mesmo se verifica na média da UE. A situação que mais se destaca, em Portugal, com esta resposta é a que diz respeito a ser vítima de fraude em cartão bancário ou em banco online, com 69%. Na média da UE a situação que mais se destaca com esta resposta é o roubo de identidade, com 72%;

Em relação ao ano anterior, existem várias subidas, mas receber emails fraudulentos ou telefonemas a pedir os seus dados pessoais é a situação que mais vê subir a disponibilidade para agir, em 16 pp;

A média da UE é quase sempre superior a Portugal na disponibilidade para reagir;

Algumas situações, apesar de maioritariamente conduzirem ao contacto com a polícia, como no que se refere à fraude online em que os bens adquiridos não são entregues, são contrafeitos ou não são como publicitados, o contacto com o website/vendedor tem importância, com 33% de resposta entre os indivíduos em Portugal e 34% na média da UE;

A situação que mais respostas "não sei" provocou, quer em Portugal, quer na média da UE, é a respeitante a descobrir software malicioso, com 19% e 11%, respetivamente. Em Portugal, acidentalmente, encontrar material online que promove ódio racial ou extremismo religioso, também obteve 19% de respostas "não sei".


Síntese - As Atitudes dos indivíduos, em Portugal, face à Cibersegurança



Há mais indivíduos, utilizadores de Internet, sem nenhuma preocupação em relação a atividades como o banco online ou a compra de bens e serviços online do que na média da UE.

Todavia, estes mesmos indivíduos preocupam-se mais do que a média da UE com o uso indevido dos dados pessoais em atividades deste tipo.

Em relação ao ano anterior, há menos indivíduos, utilizadores de Internet, em 2019, com medo de não receber os produtos ou serviços comprados online.

Os indivíduos sentem-se menos informados em relação ao risco de cibercrime do que a média da UE.

Os homens, os jovens e as pessoas com mais formação académica tendem a sentir-se mais bem informados.

Há menos indivíduos em 2019 a sentirem-se capazes de se proteger o suficiente contra o cibercrime do que no ano anterior.

As preocupações dos indivíduos, utilizadores de Internet, com a possibilidade de virem a ser vítimas de cibercrimes aumentou em 2019 em relação ao ano anterior e é maior do que a média da UE.

Os indivíduos, utilizadores de Internet, conhecem menos pessoas vítimas de cibercrime do que a média da UE.

Grande parte dos indivíduos desconhece qualquer meio através do qual possam reportar um cibercrime ou qualquer outro comportamento ilegal online.

O contacto com a polícia é a reação que mais indivíduos escolheriam na eventualidade de serem vítimas de ciberameaças.

Seguinte
Última atualização em 01-04-2021