Ir para conteúdo


O que são

O phishing é um tipo de ataque em que se usam técnicas de engenharia social para capturar informação sensível de uma vítima através de email. Um agente de ameaça que utilize este tipo de ataque procura enganar os recetores de emails para que estes disponibilizem informação sensível através do clique em anexos e/ou URL maliciosos ou da partilha de dados em páginas fraudulentas. Para o efeito, o atacante simula uma marca credível ou personifica alguém de confiança. Quando esta técnica é utilizada através de SMS, dá pelo nome de smishing e, por telefone (voz), de vishing. Esta técnica também pode ser usada através de mensagens instantâneas em aplicações de redes sociais.



O que fazer 

  • Não clicar em anexos ou links de emails, de mensagens instantâneas ou de SMS suspeitos;
  • Quando se é contactado, confirmar a veracidade do endereço de email, do perfil ou do número de telefone de origem;
  • Avaliar sempre a oportunidade dos conteúdos de emails, de mensagens instantâneas, de SMS ou de telefonemas;
  • Não partilhar dados pessoais ou seguir instruções sem verificar noutras fontes a veracidade do pedido – por exemplo, junto do gestor de conta do Banco ou de um superior hierárquico;
  • Desconfiar de mensagens com erros formais de linguagem, mas também não confiar em todas as mensagens apenas porque não apresentam erros formais de linguagem;
  • Nas organizações, realizar simulações de ataques de phishing e smishing, e eventualmente de vishing, de modo a aumentar a sensibilização e os níveis de atenção a estes meios;
  • Não partilhar dados sensíveis nas redes sociais porque essa prática pode fornecer informação a possíveis atacantes que queiram realizar spear phishing (phishing dirigido a uma pessoa específica);
  • Denunciar junto dos responsáveis de segurança informática da organização ou junto das autoridades sempre que se é alvo ou vítima de um ataque deste tipo;
  • Estar atento e não se deixar persuadir sem reflexão por solicitações autoritárias, promessas ou pedidos urgentes.



Dados

  • O phishing e o smishing têm sido os tipos de incidentes mais registado pelo CERT.PT: em 2019 corresponderam a 31% dos incidentes registados e em 2020 a 43%, tendo subido, nesse ano, em termos absolutos, 160% (CNCS, Riscos e Conflitos 2021);
  • Verifica-se que 2021 manteve uma trajetória ascendente e que os períodos com maior volume de incidentes, em particular de phishing e smishing, foram os de maior confinamento social fruto da pandemia da Covid-19 (CNCS, Boletim n.º 4/2021);
  • Segundo uma análise de conteúdo feita ao phishing e ao smishing registados pelo CERT.PT durante o segundo trimestre de 2020, verifica-se que o tipo de persuasão mais utilizado pelos atacantes, em 90% dos casos, é o argumento da autoridade/credibilidade do emissor (um Banco, por exemplo), 79% das mensagens incentivam o login numa conta, 12% pedem dados relacionados a um produto/serviço, 7% prometem um ganho financeiro e 3% referem-se ao preenchimento de um documento (CNCS, Boletim n.º 3/2020).
Última atualização em 18-05-2022